Sim, o Amapá existe!

Em resposta às críticas recebidas pelo artigo “Amapá, uma abstração”, o jornalista Rogério Borges afirma ter sido apenas uma brincadeira. De fato, foi uma piada sem graça e de muito mau gosto! Qualquer jornalista sabe do poder que a mídia tem na formação de opiniões de uma sociedade, e este senhor nos mostrou que desconhece isso. Jornalismo é coisa séria, não deve ser feito por qualquer um. Ao senhor Rogério Borges caso ele ainda tenha dúvidas sobre a existência do Amapá, deixe me tentar esclarecê-las:

O Amapá é um importante ponto estratégico da política e da economia brasileira. O porto de Santana, por exemplo, tem igual capacidade que o porto de Santos-SP, além de se localizar próximo aos Estados Unidos e fazer fronteira com a União Européia. Sim, isso mesmo, o Amapá é vizinho da Europa nas relações políticas!

Grandes empresas multinacionais já atuaram e atuam no Amapá explorando os imensuráveis recursos naturais do estado. Como grande parte desses recursos ainda estão intactos, o Amapá assusta os outros estados da região amazônica devido o seu grande potencial econômico e turístico.

Em solo amapaense já estiveram grandes arquitetos brasileiros como Oswald Bratke, Vilanova Artigas e João Filgueiras Lima, o famoso Lelé. Estes deram valiosas contribuições para a arquitetura regional da Amazônia sempre com a preocupação do conforto térmico, buscando soluções criativas para minimizar o uso de condicionadores de ar evitando assim o desperdício de energia elétrica.

Sabia senhor Rogério, que o Amapá possui cerrado? Que o Brasil, comprovadamente, foi descoberto pelo Amapá? Que este pedaço de terra foi motivo de brigas entre Portugal, Espanha, Holanda, França, Inglaterra? Que o Amapá possui uma base aérea construída pelos Estados Unidos durante a 2ª Guerra Mundial – era o ponto estratégico dos norte-americanos para abastecimento dos aviões e para planejamento? Que durante esse mesmo período navios alemães rondavam o nosso litoral? G4

Por Petter Isackson - Acadêmico de Arquitetura e Urbanismo da UNIFAP